Tendências - o que está acontecendo?
02 | 02 | 2018
Anualmente, a equipe da Abracadabra se reúne para apurar, selecionar e adaptar as principais tendências divulgadas por grandes centros de pesquisa. O resultado é apresentado no Brand Meeting, um evento anual promovido por nós e que reúne antigos, novos e futuros clientes.

Tendências são direções que a sociedade toma a partir de vários aspectos, como tecnologia, crescimento da população, mudança de valores, pressões ambientais, comportamentos, crenças etc. De uma maneira mais simples, elas nos ajudam a responder uma pergunta que todo mundo faz: "o que está acontecendo?" Em 2018, elas estarão diretamente ou indiretamente relacionadas. Confira:

1. A era dos negócios leves

Os pequenos negócios, os negócios “autorais”, mais ágeis e com mais alma, irão tomar conta do mundo. Eles encurtam a cadeia e tornam tudo mais real, humano, com emoção e história (que o consumidor também passa a fazer parte). Chega de corrupção, da ideia de crescimento "custe o que custar". Leves, efêmeros e fluidos, eles geram felicidade - tanto a quem produz quanto a quem consome. Outro ponto dessa tendência/estilo de vida é o mindset mais colaborativo, onde o “conquistar junto” é mais importante do que o “ganhar sozinho”. Com alto impacto nas relações de consumo com marcas e produtos, ela gera reflexões e questionamentos: de onde vem? quem faz? quanto vale?

2. Evite disfarces, cumpra promessas

Em tempos de “fake news” e escândalos, é cada vez mais importante deixar claro quem você realmente é. Entregue produtos genuínos, autênticos e que entrem na casa dos seus clientes levando a bandeira da sua marca, com sua proposta. Diga a verdade antes que alguém descubra a sua mentira (ou invente uma), já que a tecnologia nos fez viver em “caixas de vidro” e todos os nossos erros estão potencialmente à mostra. Tudo o que você faz e acredita é comunicado e compreendido pelos seus públicos? Você entrega o que promete? Evitar lesões, informar e permitir sua autonomia individual são os principais pontos esperados pelo consumidor. 

3. Seja pessoal <3

A frase “não é nada pessoal, são apenas negócios”, não deve mais fazer parte do universo comercial. Com a sensação que a tecnologia nos proporciona, onde tudo está muito próximo, íntimo e personalizado, a comunicação, seja ela online ou offline, nunca foi tão importante. Não existem mais fronteiras, logo, é preciso sempre entender - e antecipar - os desejos dos clientes por meio da personalização. Conquistar a confiança é entender a fundo quem está do outro lado do balcão (ou da tela).

4. O imperfeito é o novo perfeito

Abrace o seu lado humano e as suas imperfeições. Finalmente, o conceito de “perfeição” caiu por terra e deu espaço ao ser humano em sua forma mais natural e original. As curvas, o autêntico, o natural nunca foram tão valorizados, tanto pelas marcas quanto pelos consumidores. Chega de pressão e artificialidade. Liberdade é a palavra-chave. “Perfection is boring” tornou-se um grito de guerra. Observe o que há ao seu redor, perceba as diferenças, olhe no olho, converse com o seu público. Enxergue-os como seres humanos, com defeitos e qualidades. E ajude-os a ressaltar o que cada um tem de melhor. 

5. Storysharing

É preciso muito mais do que contar histórias (o famoso storytelling) e atrair a atenção das pessoas. Seu conteúdo precisa ser tão interessante que deve emocionar, envolver, conquistar e despertar no seu consumidor e na sua audiência a vontade de viver as experiências e compartilhar suas ideias. Para isso, é preciso produzir um conteúdo relevante, inovador e criativo. Ao ser compartilhada, sua mensagem será recebida de forma mais natural e espontânea. 

6. Ganhar dinheiro e fazer o bem

Pensar no ser humano não como um indivíduo, mas como parte de uma sociedade. Levando tal questão em consideração, cabem às marcas criarem produtos e serviços que “façam a sua parte” no meio em que ela vive, visando muito mais que lucros. Fazer o bem precisa estar na alma e nos processos, não apenas como compensação de algo, no final da cadeia.