A gente não quer só comida...
01 | 08 | 2017
Se não fosse uma letra de música, daria um belo início para um artigo sobre marcas e negócios!!

Temos trabalhado ao longo desses quase dez anos com empresas do setor de “alimentação fora do lar”, o nome que se utiliza comumente para descrever um mercado gigantesco (faturou R$ 184 bilhões em 2016) e que cresceu junto com com um comportamento cada vez mais incorporado ao dia a dia dos brasileiros (dados do IBGE dizem que nós gastamos cerca de 25% das nossas rendas com a alimentação fora do lar). Porém, esse mercado, como tantos outros, tem amargado uma queda nos números com o cenário de crise no Brasil. Um ótimo momento para repensarmos como fazemos aquilo que fazemos.

Sempre insistimos com nossos clientes que seus negócios não são apenas fazer um melhor sanduíche, uma melhor pizza ou um melhor sorvete. Algo que poderia parecer óbvio, mas nem sempre é. Por mais que tentemos racionalizar o processo, dezenas de pequenos detalhes que vão além do sabor nos levam a escolher um produto, uma marca, um lugar, uma comida. E esses detalhes, acreditem, passam longe de nossa racionalidade. 

Imagine, então, um produto que você come (nada mais sensorial, emocional e humano do que isso). E depois disso, esse produto literalmente "desaparece". O que fica desse momento é a experiência de ver, desejar, escolher e apreciar o ato de comê-lo, sozinho ou acompanhado. Por isso, “sair para comer” é um ato teatral e simbólico. 

É importante entender que a gente não quer só comida, a gente quer uma mensagem com significado, um nome para lembrar, um cheiro, um tom de voz, a luz certa, a cor, a embalagem, e sim, o ponto de venda (que já deveríamos ter mudado o nome para ponto de entretenimento), aquele lugar pra fugir de casa ou do trabalho e alimentar o corpo e o espírito.

Construir Marcas nesse mercado, seja seu negócio um fast-food ou um restaurante “gourmet”, parte do entendimento de que comer é um ritual que começa antes mesmo de chegar ao local. É como compartilhar histórias em torno de uma fogueira, contar causos na cozinha da avó enquanto sentimos o cheiro gostoso que vem do fogão. Escolha seus personagens, construa seu cenário, coloque uma boa comida à mesa e crie um roteiro digno de nos fazer levantar do sofá.

Photo by Irina on Unsplash